semana_santa.png

Bom dia queridos amigos! Hoje dia 25/03/2018 é o início da SEMANA SANTA, o DOMINGO DE RAMOS; vamos procurar vive-la com muita fé em Jesus Cristo e esperança na SUA ressurreição. 
Escrevi esta reflexão com todo carinho pra vocês, com a trajetória de Jesus, como também procurei esclarecer algumas dúvidas, para que comprometidos com o Reino possamos viver juntos esta Grande Semana...

ESTUDO PARA A SEMANA SANTA
O TEMPO DO MISTÉRIO PASCAL
Professora Dita

Neste estudo vamos refletir O Caminho da Paixão de Jesus Cristo e sua importância na vida dos leigos e de todos os cristãos.
A narrativa da paixão/ morte e ressurreição de Jesus encontra-se nos quatro evangelhos, porém, cada um traz elementos próprios.
Para são Mateus, Jesus, o enviado do Pai, foi um judeu, que mesmo sendo o Messias, o Cristo cumpriu as Leis. Neste evangelho, o contexto histórico com referência a Páscoa de Jesus, se deu a partir dos preparativos.
Cf. Mt 261s. Jesus diz aos discípulos que morrerá dali a 2 dias, na 6ª feira. Todos sentem no ar um complô para O assassinarem. E quem planeja a morte de Jesus Cf. Mt 26, 3-5 é a Cúpula religiosa judaica do Sinédrio (aliados com Herodes e Pilatos). Com a ajuda do governador, Pilatos talvez conseguisse seu intento, pois, por mais que quisessem mata-lo, os judeus não possuíam poder jurídico.

O certo é que depois da entrada triunfante de Jesus em Jerusalém no domingo, Ele retorna para Betânia a fim de, de acordo com a vontade de Deus elaborar seus planos para a grande semana que se aproximava.

Segundo a tradição da Igreja, Nossa Senhora já há algum tempo estava hospedada em Betânia com os três irmãos, Marta, Maria e Lázaro, o qual Jesus o tinha ressuscitado há poucos dias.
Sentado junto à sua mãe e aos amigos, Jesus relembrava o dia anterior, quando tinha sido aclamado como Rei pelas ruas de Jerusalém. Ele sentia que logo a euforia da multidão esfriaria dando lugar a raiva, revolta e ofensas a Ele por não entenderem sua missão; mas isso não estava impedindo que todos ali naquela casa aproveitassem o clima de calma e tranquilidade que o momento lhes trazia.

Lázaro, Marta e Maria apesar de serem pobres e simples, demonstravam um forte carinho por Jesus e sua mãe, assim resolveram oferecer a Ele um jantar quase que com sabor “de despedida”.

Conta a tradição que Nossa Senhora meses antes (após a morte de São José) estava hospedada em Cafarnaum em casa de São Pedro e quando soube que seu filho se preparava para a sua missão maior, lhe pede encarecidamente que a deixe em Betânia em casa dos irmãos. Insistia que queria ficar perto dele nos momentos cruciais que Ele mesmo tinha profetizado a seu respeito.

Jesus como bom filho que era, mesmo contra sua vontade permitiu que ela ficasse em Betânia com Marta, Maria e Lázaro. A aldeia de Betânia se encontrava a 2Km de Jerusalém, podia-se ir a pé para Jerusalém em meia hora.

Segundo São João 12,1-8, foi nesse jantar, seis dias antes da Páscoa dos judeus que Maria irmã de Lázaro, no meio do jantar se levantou e foi até os pés de Jesus ungindo-os com um bálsamo de nardo puro, um perfume valiosíssimo o qual por certo tinha sido adquirido com grande dificuldade para ser usado numa ocasião especial.

Jesus tinha conhecimento que ela, sem o saber, estava ungindo seus pés preparando-O para sua morte. Ungir os pés foi só uma atitude de amor de Maria de Betânia... UNGIR em hebraico significa Messias, em grego Cristo. Ela sem saber está ungindo o Messias, o enviado do Pai.

Outra unção, também acontece em Betânia, é o que nos conta São Mateus (26,9-13). Desta vez foi num banquete, um jantar elegante em casa de Simão no qual só homens participavam. ele era um rico morador de Betânia curado por Jesus. Mateus nos conta que este jantar de gala talvez tenha acontecido até por agradecimento a Jesus pela cura.

Todos comiam e conversavam animadamente quando de repente entre uma mulher (uma pecadora). Os homens presentes se espantaram com a cena. Ela vai até Jesus e com um vaso de alabastro cheio de perfume caro, derrama-o sobre a Sua cabeça; o gesto revolta os discípulos que reclamam do desperdício.

É importante saber que esse tipo de unção (na cabeça) era comum ser realizada nos jantares pelo dono da casa, por ocasião da chegada do convidado, como acolhida, e como sinal de respeito, consideração, e gesto de felicidade pela ilustre visita (Sl 23). Ungia-se: PROFETAS/SACERDOTES/REIS antes de suas missões, talvez por isso São Lucas em At 17,2 – diz que Jesus Cristo é nosso Profeta, Sacerdote e Rei.

De acordo com Mt 21,17 - Jesus sai de Betânia, vai a Jerusalém e em outras localidades e volta depois para Lá; é mais uma certeza de que Ele tinha deixado sua mãe naquela aldeia.

TRAJETÓRIA DE JESUS NA SEMANA SANTA
Aqui coloco algumas hipóteses acerca do que fez Jesus em cada dia da Semana de sua paixão, morte e ressurreição.


1º DIA DA SEMANA – DOMINGO DE RAMOS
– Ele entrou em Jerusalém aclamado como Rei pelo povo. Os quatro Evangelhos discorrem sobre o que aconteceu; cada um do seu jeito, sua forma de pensar, de escrever, de evangelizar e apresentar Jesus como Filho de Deus. Mt 21,1-17/ Mc 11,1-11/ Lc 19,29-40/ Jo 12,13-19.

Neste episódio se cumpre a profecia de Zacarias 9,9 (século VI a.C), o Messias quando chegar virá montado num jumentinho.

2º DIA – 2ª FEIRA SANTA – AINDA EM BETÂNIA
De acordo com a tradição da Igreja, Jesus descansa em Betânia na segunda feira, participa do jantar íntimo com sua mãe, Marta, Maria e Lázaro, avalia tudo o que lhe ocorrera no Domingo em Jerusalém e se prepara para sua missão.

*3º DIA – 3ª FEIRA SANTA

JESUS DEIXA BETÂNIA –Mc 11,12-14
São Marcos diz: no outro dia (3ª feira) Jesus ao se dirigir para Jerusalém amaldiçoa a figueira. Talvez Jesus quisesse com isso dizer aos seus Apóstolos que Ele tinha poder de exterminar seus inimigos, se o quisesse, mas não o faria.
São Mateus, São João, os discípulos e apóstolos contam que Jesus está muito triste e anuncia a sua morte pela traição de Judas. (Mt 26,1s / Jo 13,21-33_36-38). O fato aconteceu durante a CEIA.

*4º DIA - 4ª FEIRA SANTA – Na tradição litúrgica é o dia em que se encerra o período quaresmal (dos 40 dias).
Segundo São Mateus, Jesus passa a 4ª feira também em Betânia; enquanto Judas lá em Jerusalém faz os acordos com o poder judaico para prender Jesus - (Mt 26,14-25).

*5º DIA - 5ª FEIRA SANTA – INÍCIO DO TRÍDUO PASCAL
Acontece a última Ceia de Jesus com os discípulos no Cenáculo. A palavra grega usada é "estromenon", a qual significa "o quarto/ ou sala superior", e no hebraico tem o significado de "local para refeição".

Para todos nós cristãos católicos, é neste local que existe a diferença entre os cristãos católicos e os outros cristãos, os quais não crêem que depois de consagrados o pão e o vinho, há uma transformação da substância, o que era pão e vinho agora são corpo e sangue do Cristo (transubstanciação).

De certa forma os quatro evangelhos e o apóstolo Paulo, falam da última ceia como Instituição da Eucaristia.
*São Mateus 26,17-30 – Ceia COM A EUCARISTIA
* São Marcos 14,12-26- Ceia COM A EUCARISTIA
* São Lucas 22,7-20- Ceia COM A EUCARISTIA 
* São Lucas 24,30 – Ceia familiar COM EUCARISTIA
*São Paulo -1Cor 11,23-30 - RELATA A EUCARISTIA 
*São João não a relata, mas apresenta o Cristo como o Pão Vivo, que desceu do céu (Jo 6 (partilha dos pães).
O LAVA PÉS (na quinta feira) só se encontra em São João 13,1-15.

Na tradição litúrgica, é na 5ª feira que a Igreja celebra - as Missas dos Santos Óleos ou Missa do Crisma (nesta Santa Missa são bentos os óleos do crisma, dos enfermos e do batismo (o único perfumado); e os sacerdotes renovam seus votos, e promessas sacerdotais diante do Bispo.

*A AGONIA DE JESUS: ELE se dirige pelo Vale do Cedron com Pedro/Tiago e João até o Horto das Oliveiras, onde lhes pede que orem com Ele e vigiem, (cf. Mt 26,30).

*SUA PRISÃO – a partir deste momento cf. Mt 26.56, os discípulos o abandonam.

*Jesus é preso e levado à casa do Sumo Sacerdote Caifás, É interrogado pelo conselho dos príncipes dos Sacerdotes e os escribas; todos, membros do SINÉDRIO. Este episódio está em Mt 26,57.
*Também nesta noite Pedro nega a Jesus por três vezes Mt 26,58.69-75;
*A Igreja inicia a vigília ao Santíssimo, relembrando os sofrimentos passados por Jesus nesta noite.

*6º DIA - 6ª FEIRA SANTA
É O DIA MAIS LONGO E O MAIS SOFRIDO NA VIDA DE JESUS
Ainda durante toda a noite de 5ª pra 6ª feira Jesus é julgado pelo Sinédrio. Logo cedo O levam ao Palácio de Pilatos, o governador romano (cf. Mt 27,1s) e do Evangelho de Nicodemos, século III d.C, p.227 itens 2 a 6.

Os judeus irados, reclamam da aclamação a Jesus no domingo anterior em Jerusalém e do que o povo gritava o Salmo – 118,26 em hebraico. 
- HOSANA... SALVA-NOS
HOSANNA MEMBROME; BARUCHAMMA; ADONAI 
SALVA-NOS TU QUE ESTÁS NAS ALTURAS, BENDITO O QUE VEM EM NOME DO SENHOR.

Pilatos sente que está cometendo um erro ao assinar a sentença de morte de Jesus. De repente um mensageiro lhe entrega uma carta da esposa que dizia:”não faças nada a esse justo, Ele é inocente...” Mt 27,19 – Idem p. 229. 2,1.

Ainda na 6ª feira de madrugada... Vendo que Jesus era Galileu, Pilatos repassa a tarefa de julgá-Lo para Herodes Antipas, Tetrarca da Galiléia e filho de Herodes o Grande - Lucas 23,6s. Este o tratou com deprezo, mandou que lhe pusessem uma túnica vermelha, já que ele se considerava rei e o enviou de volta a Pilatos – Lc 23,8-12.

Jesus é trocado por Barrabás – Mt 27, 11-26, condenado e levado pelos judeus ao páteo (pretório) interno do Palácio para sofrer humilhações – Mt 27,27-31/ Mc 15,16-20...
Enquanto isso, Cf. Jo 19,1-7 e Evangelho de Nicod. 3,1. p. 231
- Pilatos para isentar-se da culpa, manda flagelar Jesus; e para que Ele sofresse mais ainda, os soldados lhe tecem uma coroa de espinhos em forma de capacete e o cobrem com o manto que Herodes lhes havia oferecido. Davam-lhes bofetadas e diziam: “Salve o rei dos judeus”...Cf. Jo 19,1-3 e Evangelho de Nicodemos 9,1b. p, 236.

Pilatos ao presenciar aquela cena, compadeceu-se de Jesus e tentou tocar o coração do povo, dos guardas e dos homens do Sinédrio para que tivessem compaixão, e disse: “Eis o homem...” a multidão em delírio pedia que o crucificasse. Então Pilatos disse: “se querem crucifica-lo... eu não vejo nele culpa alguma... Os judeus responderam... Ele deve morrer pois se disse FILHO DE DEUS... e responderam, assumindo toda a culpa dizendo: “caia sobre nós e nossos filhos o seu sangue!” Mt 27,25. Já era meio dia (a hora 9ª).

Pilatos sem saber ao certo o que fazer, entrega Jesus a eles – num gesto de “não tenho culpa no que vai acontecer com este homem”, lava suas mãos –Mt 27,24; Jo 19,7-16.

Jesus é levado pelas ruas principais de Jerusalém carregando a parte horizontal da cruz. É crucificado e morre ás 3h. da tarde, hora nona para os judeus.

Conforme Mc 15,27/ Lc 23,32s.39-43/ Jo 19,18 e no Evangelho de Nicodemos p. 237- 9,5 item1. Jesus foi crucificado entre dois malfeitores (bandidos) – Dimas e Gesta.

O QUE ACONTECEU DEPOIS?
Nenhum apóstolo apareceu – todos se esconderam numa casa em Jerusalém com as portas fechadas com medo dos judeus – Jo 20,19 - EXCETO São João que permaneceu todo o tempo protegendo Nossa Senhora que sofria muito.

Cf. Mc 15,42-45/ Mt 27,57-59 - José de Arimatéia e Nicodemos, dois judeus ricos e importantes membros do Sinédrio, e que foram (as escondidas) discípulos de Jesus, pedem o Seu corpo a Pilatos. (cf. João 19,39-42). 
Diz São Mateus 27,56-60 que Nicodemos ajudou com as despesas e com o trabalho do enterro do corpo de Jesus e José de Arimatéia cedeu o seu jazigo, que era novo.

SÁBADO... JESUS REPOUSA NO TÚMULO ATÉ A RESSURREIÇÃO
* Jesus permanece no túmulo, na contagem judaica, 3 dias e 3 noites.
*Na Igreja Há uma Vigília Pascal a espera da ressurreição. Não se celebra a Eucaristia, mas somente o sacramento da confissão e a Liturgia das Horas.

*Cf. 1Pd 4,5s; Flp 2,5-11 JESUS desce ao lugar dos mortos, chamado de: infernos/mansão dos mortos (recitado no Credo).

Na mentalidade judaica antiga, e cf. Lc 16, 23-26 Havia neste lugar, chamado de infernos (terras inferiores) uma separação (abismo) entre Justos x injustos.

Esse lugar dos mortos era chamado (conforme a época e região) de: 
*XEOL (hebraico AT) e HADES (grego NT) = “sepultura”, “infernos”, “cova” “região dos mortos”, “Geena” “morada subterrânea” “abismo”. De "Tártaro (2 Pedro 2,4). De “mansão dos mortos” (no Credo). Ecl 9,10; Jó 11,7s; 14,13; Mt 16,18; Atos 2,31s; Ap 1,18; 20,13.

DOMINGO DE MADRUGADA... (após as 18h da sexta feira, para o judeu já é sábado)
JESUS RESSUSCITA – é um FATO não só teológico, de fé, mas também HISTÓRICO, é o que nos diz São João, o apóstolo Paulo e São Lucas.
*1Jo 1,1s – O que vimos, ouvimos e as nossas mãos apalparam isto atestamos.
*1Cor 15 - Paulo testemunha o Cristo vivo.
*Diz São Lucas em At 3,15 - Vocês mataram o autor da vida, mas Deus o ressuscitou dos mortos. E nós somos testemunhas disso. 
Lc 24,1s.13-35 - Jesus aparece aos caminheiros de Emaús...

O mais importante de tudo isso é que na RESSURREIÇÃO - Celebra-se a vida, o amor e a misericórdia de Deus. 
* Cf. Mateus 28,1ª e João 20,1. - Depois das 18h do sábado – de madrugada

ASCENSÃO de Jesus se deu no Monte Tabor. Cf Lc 24,50-53. Foi também em Betânia.

SOMOS CRISTÃOS PORQUE CREMOS NA RESSURREIÇÃO DE CRISTO...

ADENDO * contagem dos dias
Geralmente paira ainda alguma dúvida entre os fiéis de como se deu a contagem dos três dias e as três noites da ressurreição de Jesus. É importante saber que para o judeu (no seu calendário teológico) o dia tem apenas 12 horas. Vejamos alguns exemplos:
Gn 1, 1.8.13.19.23.31. Deus descansou no 7º dia, o sábado.
- A morte de Jesus se deu às 15h de 6ª feira (hora nona)
- 18h 1m. da sexta feira até 12h 1m de sábado - 1º dia
- Das 12,1m de sexta feira as 6h,1m do sábado – 2º dia
-Das 6h.1m às 18h 1m do sábado –3º dia.

- É importante lembrar que ás 18 horas e um minuto do Sábado para os judeus já é domingo.

Por isso, celebramos a Eucaristia da missa de Aleluia e voltamos a cantar o Glória, sábado após às 18h, sendo considerado domingo da ressurreição.

*Nesta missa acontece a benção do fogo, símbolo do esplendor de Cristo ressuscitado que começa a dissipar as trevas do pecado e da morte.

Curiosidades sobre os herodes:
HERODES na Dinastia romana não era nome próprio mas um TÍTULO de nobreza que passava de pai para filho.

Império Romano (de 27 a.C até 395).

*No nascimento de Jesus – reinava Herodes, O Grande (37 a.C a 04 d.C). Quando Herodes o Grande morreu (04 a.C), seu reino foi dividido em 3 reinos:
* Herodes Arquelau ( Reino da Judéia), 
*Herodes Antipas (Reino da Galiléia) quando Jesus morreu.
*Herodes Filipe (tetrarca da Batanéia, Ituréia e Abilene).
* Herodes Agripa I (reinou de 10 a.C. até 44 d.C. na Judéia)...

Espero que todos tenham uma Semana Santa voltada para o reavivamento da nossa fé no Cristo, o Messias de Deus.