O SOFRIMENTO DA VIRGEM MARIA NA SEMANA SANTA

 

O sofrimento de Maria como mãe foi doloroso. Pensemos a partir do domingo de Ramos. Antes desta semana ela estava em casa de Pedro na c idade de Cafarnaum, no território da Galiléia. Jesus a traz de lá para ficar em Betânia que fica a menos de 2Km de Jerusalém. Sabendo que a sua missão estava se iniciando, Jesus se despede dos amigos (Marta, Maria e Lázaro) e deixa sua mãe com eles, indo com os discípulos para Jerusalém.

Na 3ª feira, os acontecimentos que se sucederam deixaram a mãe de Jesus em alerta. A liturgia desse dia lembra as 7 dores dela: os 7 sofrimentos  por quais passou como mãe, até a morte de seu filho.

1. A apresentação de Jesus no Templo e a profecia de Simeão

2. A fuga para o Egito

3. A perda do menino Jesus no templo

4. O encontro com Jesus no caminho do calvário

5. Junto à cruz de Jesus

6. Recebendo Jesus morto em seus braços

7. Quando deposita seu filho morto no túmulo

Na quarta feira relembramos a prisão de Jesus. Neste dia como dissemos, sua mãe estava por perto em Betânia, não sabia em sua totalidade o que estava acontecendo, pois os três irmãos faziam de tudo para poupá-la de grandes sofrimentos, porém Nossa Senhora previa que algo de ruim ia acontecer, de fato na quarta feira se dá a prisão de Jesus depois da ceia.

Na quinta feira recordamos a última ceia de Cristo e seus apóstolos no Cenáculo, na qual sua mãe e algumas mulheres tiveram uma vital importância. Durante a ceia Jesus lava os pés dos apóstolos.

Enfim chega a sexta feira quando o governador Pôncio Pilatos condena Jesus,  que recebe a cruz e caminha com ela pelas ruas de Jerusalém. Cai por três vezes. Na primeira encontra sua Mãe que chora junto com outras mulheres que o seguiram desde a Galiléia. Cai pela segunda vez quando Simão Cirineu , a pedido dos guardas romanos ajuda a Jesus carregando a cruz. Jesus cai novamente e surge no meio da multidão uma mulher, Santa Verônica,  que enxuga o rosto de Jesus com seu lenço e o ajuda a levantar-se. Chegando ao monte do Gólgota, é crucificado  e morre na hora nona (15h). Sua mãe está lá para recebê-lo em seus braços e ajudar a levá-lo ao sepulcro.

Chegando o sábado, ainda de madrugada Nossa Senhora se preocupa e faz vigília junto a outros cristãos, esperando algo acontecer. Ela sabia que Jesus ía ressuscitar. Ajuda as mulheres a preparar os bálsamos para ungir o corpo de Jesus e espera. Ela se prepara para ir morar em Éfeso com João.

Chega finalmente o domingo. Após a ressurreição (conta a literatura dos primeiros cristãos) Jesus aparece à sua mãe e aos discípulos muitas vezes. Depois ela foi para Éfeso com João de quem tinha de Jesus recebido como filho e ele como sua mãe; retornando um mês depois a Jerusalém para a festa de Pentecostes, quando o ES desceu sobre os apóstolos.

Disse o Papa Francisco um dia: “Maria seguiu com fé o seu Filho até ao Calvário, e vai nos ajudar a caminhar atrás d’Ele, levando com serenidade e amor a sua Cruz a fim de chegarmos à alegria da Páscoa”.