Anjos no Antigo Testamento e nos textos apócrifos

 

         Existem dois conceitos advindos da tradição Cananéia, onde os anjos eram divididos em várias categorias:

 

bons e maus:

  • Certo dia, os anjos se apresentaram a Javé e entre eles, foi também Satã, um anjo mau (Jó 1,6s).
  • Numa parábola da tradição oral do povo diziase que Javé pela sua ira lançou contra eles o furor, a cólera e a aflição, enviadas por anjos portadores de desgraças (Sl 78,49).
  • Javé vai passar na casa dos egípcios para ferir os seus primogênitos e mandará o seu mensageiro exterminador para isso (Ex 12,23).

Os anjos bons eram descritos como seres alados (com asas), voadores segundo:

 

  • Dn 6,22

 

  • Dn 9,21

 

 

  • Ap 14,6

 

 

  • Sl 91

 

 

  • Sl 91,11

 

 

Os anjos maus, os rebeldes e opositores a Deus, demônio e satanás.

 

  • Zc 3,1

 

  • Aprisionados

 

  •  Judas 6

 

  • II Pedro 2,4

 

  • Demônios – Dt 32,17

 

  • Sl 106,37

 

  • Lv 17,7

 

 

Satanás – este ser do mal e sobre humano é citado em :

 

  • Gn 3,115

 

  • Jó 1,612

 

  • Jó 2,17

 

  • Zc 3,1s

 

Muitos nomes são dados aos anjos maus na Bíblia:

Diabo (Ap 20,2) Abadom / Apolion / Belzebu / Belial / Maligno / Adversário / Serpente / Acusador / enganador / Homicida / Pai da mentira / Sedutor / Caluniador / Tentador.

   

Anjos Especiais  (querubins)

Os querubins geralmente se apresentavam com traços de animais, com aspectos de guerreiros. São alados muitas vezes com metade homem metade animal. De certa forma chegavam a aterrorizar as pessoas. Há muita semelhança na descrição deste anjo com a mitologia da Babilônia e do Egito.

 

Na Tradição do antigo Testamento, vamos encontra-los guardando a Arca da Aliança.

 

  • Gn 3,24 =» Javé expulsou o casal humano do Paraíso e deixou guardando o jardim os querubins com espadas flamejantes para guardar o caminho da vida.

 

  • Ex 25,20 =» ordem De Deus de como seriam.

 

  • Ez 1,5 =» Na visão de Daniel, no meio das nuvens, surgiu algo parecido com quatro animais lembrando uma forma humana.

 

  • Ez 10,1922 =» Então os querubins abriram as asas e se elevaram do chão.

 

 

      Os Serafins (possuíam 6 asas).

 

-   Is 6,2 =» De pé, acima dele estavam serafins, cada um com seis asas: com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés, e com duas voavam. Estavam sempre de pé em frente ao trono de Deus (Is 6,2).

 

 

Intermediários

 

São os que ficam em volta do Senhor no trono da glória.Estes possuem nomes pessoais de poder e hierarquia. Entre eles estão os arcanjos. 

 

  1. Gabriel (homem de Deus). (Lc 1,19 ; Dn 9,20s). Foi o grande mensageiro e embaixador de Deus não só na anunciação a Nossa Senhora, mas também junto a Zacarias para anunciar-lhes o nascimento de João Batista. Também junto a  São José a quem apareceu três vezes em sonhos:
  • Anunciação
  • Recomendar a fuga para o Egito
  • E retorno a Palestina após a morte de Herodes

 

 

2. Miguel (semelhante a Deus). (Jd 9 ; Ap 12,7).

O arcanjo Miguel defendeu os interesses dos israelitas contra o anjo protetor da Pérsia, é o que vemos em Daniel 10,13-21

 

3. Rafael (Deus cura). A missão de Rafael se dá ao jovem Tobias como muito bem é descrito em seu livro  na Bíblia

 

Anjo de Javé (mensageiro divino)

 

Era um ser celestial que recebia de Deus uma tarefa especial e específica, como se fosse o próprio Deus. Podia ter a forma humana ou envolta num símbolo (fogo, nuvem, trovão, barulho, ou até mesmo apenas o som da voz).

 

Gn 18 – o anjo de Javé visita Abraão e Sara em forma humana.

 

Ex 23,20 – reconhecido somente por sua voz.

 

Jz 13,9-24  - O nascimento de Sansão.

 

Ex 14,15-20 – Passagem do mar vermelho (mar dos juncos).

 

Nm 22,18-35 -  História de Balaão. O anjo tem forma humana.

 

No judaísmo posterior (pós exílico), século VI a .C, aumentou grandemente a crença popular nos anjos, por influência dos persas. O povo em busca da  sua identidade e percebendo o distanciamento de Deus, busca refúgio em alguém que para eles seria perfeito para que suas preces e seus pedidos chegassem até Deus.

 

Possivelmente isto se deu em parte devido ao sincretismo de culturas pagãs (babilônicas, persas), em parte pelo retorno tumultuado à sua terra após tantos anos de ausência e não conseguirem adaptar-se. Para eles os anjos eram  mensageiros de Deus e vinculados com  as estrelas, possuíam poderes naturais que regiam  a terra e as pessoas.  Foi a partir daí que se solidificou a crença no anjo da guarda. Acreditava-se que cada pessoa tinha o seu. Em Dn 10,11s.

 

A distância entre Deus e o mundo dos seres humanos tornara-se imensa, necessitando daí a intervenção dos anjos. Eles são os intercessores e intermediários entre eles e Deus.

 

Anjos nos apócrifos

 

A Angeologia foi altamente desenvolvida  no livro de Enoque (apócrifo), com especulações a respeito de uma queda dos anjos.[1] O livro de Enoque é um texto de composição, isto é, escrito em diferentes épocas durante os dois últimos séculos antes de Cristo. Suas partes mais antigas remontam do ano 175 a .C.

 

Relacionamos abaixo a parte que foi tirada de uma versão grega dos originais em aramaico. Estes originais foram encontrados entre os Manuscritos do Mar Morto e são do século II a .C.

 

Quem foi Enoque?

 

         Um Patriarca antediluviano, descendente de Adão, ou dos primórdios da humanidade. Na literatura poética de  Gênesis 5,24 Enoque é pai de Matusalém, avô de  Lamec  um descendente de Caim (dos povos cananeus) e bisavô de Noé. Enoque e Elias segundo as Escrituras, foram os únicos seres humanos que não morreram, foram arrebatados para o céu (1Rs 2).

 

Na epístola de Judas 14 e 15 diz ser Enoque o sétimo patriarca desde Adão e fala sobre o juízo final.

 

         Segundo alguns historiadores, o livro de Enoque era muito lido pelos primeiros cristãos. A obra completa está dividida em cinco partes, tendo a primeira  o “Livro dos anjos”, onde nos deteremos para nosso estudo.

 

A queda dos anjos [2]

 

         O texto diz que Deus enviou um anjo bom  por nome Uriel ao filho de Lamec (Noé) com a seguinte ordem: o fim está próximo o mundo será destruído; um dilúvio cobrirá e aniquilará toda a terra de Noé, mas você e seus descendentes poderão  se salvar.

 

         Ao anjo Rafael Deus disse: amarras as mãos e os pés de  Azazel (anjo mau) e joga-o nas trevas. Caves um buraco no deserto e atire-o no fundo. Debaixo dele coloques muitas pedras e deixe-o na escuridão, lá ele permanecerá para sempre, nunca verá de novo a luz. Toda a terra está corrompida por causa das obras transmitidas por Azazel. Ele é o causador de todos os pecados.

 

         A Gabriel Deus disse: cria uma guerra entre os bastardos, os monstros, os filhos das prostitutas e expulsa-os do meio da comunidade.

 

         A Michael disse o Senhor: Vai e põe a ferros Semjaza , (um anjo) e seus seguidores, que se misturaram com as mulheres e com elas se contaminaram. Será que o autor do Gn 6,1 não se referia aos sacerdotes como “os filhos de Deus” ou “guardiões” e seguidores do anjo Semjaza?

 

Possivelmente o autor do texto em Gênesis 6-9 (O dilúvio) conhecia este apócrifo. Os filhos dessa união (filhos de Deus com as filhas dos homens) seriam exterminados pela sua impureza. Seriam atirados no abismo (xeol/infernos/mansão dos mortos/hades) onde ficariam para sempre e todo aquele que for condenado (à morte) ficará com eles.

 

         Ainda prosseguem as ordens do Senhor a Michael: extermine os espíritos de todos os monstros (pessoas estranhas à comunidade). Purifica a terra de toda violência, pois toda obra má deve ser eliminada. Que floresça a árvore da Verdade e da Justiça, para que haja semeadura de alegria e verdade.

 

Dessa forma os justos florescerão e sua descendência será abençoada. Toda espécie de árvore plantada florescerá e darão frutos em abundância. “De todas as sementes que forem semeadas, uma medida produzirá mil outras, e uma medida de olivas dará dez cubas de óleo”.

 

Anjos da guarda

 

Levando em conta que as leis físicas se mantém ativas porque Deus o nosso Criador governa todo o Universo, e tendo os anjos como intermediários e ajudantes de seus planos, assim, por uma lei natural cada ser humano, desde a sua concepção sob a ordem de Deus, está sob a tutela de um anjo da guarda escolhido por Ele.

 

         Através da vontade divina, o anjo da guarda de cada pessoa é diferente a todos os outros, conhecendo plenamente seu protegido e suas necessidades.

 

[1] APÓCRIFOS III – OS PROSCRITOS DA BÍBLIA. Editora Mercuryo, São Paulo, 1996

[2] A queda dos anjos. P.119-127